Arquivo da tag: Igreja Católica

Leia o primeiro discurso do Papa Francisco no Brasil


brasao_papa-francisco

Visita Apostólica do Papa Francisco ao Brasil 
Discurso no Palácio da Guanabara – RJ
Segunda-feira, 22 de julho de 2013

Senhora Presidenta,
Ilustres Autoridades,
Irmãos e amigos!

Quis Deus na sua amorosa providência que a primeira viagem internacional do meu Pontificado me consentisse voltar à amada América Latina, precisamente ao Brasil, nação que se gloria de seus sólidos laços com a Sé Apostólica e dos profundos sentimentos de fé e amizade que sempre a uniram de modo singular ao Sucessor de Pedro. Dou graças a Deus pela sua benignidade.

Aprendi que para ter acesso ao Povo Brasileiro, é preciso ingressar pelo portal do seu imenso coração; por isso permitam-me que nesta hora eu possa bater delicadamente a esta porta. Peço licença para entrar e transcorrer esta semana com vocês. Não tenho ouro nem prata, mas trago o que de mais precioso me foi dado: Jesus Cristo! Venho em seu Nome, para alimentar a chama de amor fraterno que arde em cada coração; e desejo que chegue a todos e a cada um a minha saudação: “A paz de Cristo esteja com vocês!”

Saúdo com deferência a Senhora Presidenta e os ilustres membros do seu Governo. Obrigado pelo seu generoso acolhimento e por suas palavras que externaram a alegria dos brasileiros pela minha presença em sua Pátria. Cumprimento também o Senhor Governador deste Estado, que amavelmente nos recebe na Sede do Governo, e o Senhor Prefeito do Rio de Janeiro, bem como os Membros do Corpo Diplomático acreditado junto ao Governo Brasileiro, as demais Autoridades presentes e todos quantos se prodigalizaram para tornar realidade esta minha visita.

Quero dirigir uma palavra de afeto aos meus irmãos no Episcopado, sobre quem pousa a tarefa de guiar o Rebanho de Deus neste imenso País, e às suas amadas Igrejas Particulares. Esta minha visita outra coisa não quer senão continuar a missão pastoral própria do Bispo de Roma de confirmar os seus irmãos na Fé em Cristo, de animá-los a testemunhar as razões da Esperança que d’Ele vem e de incentivá-los a oferecer a todos as inesgotáveis riquezas do seu Amor.

O motivo principal da minha presença no Brasil, como é sabido, transcende as suas fronteiras. Vim para a Jornada Mundial da Juventude. Vim para encontrar os jovens que vieram de todo o mundo, atraídos pelos braços abertos do Cristo Redentor. Eles querem agasalhar-se no seu abraço para, junto de seu Coração, ouvir de novo o seu potente e claro chamado: «Ide e fazei discípulos entre todas as nações».

Estes jovens provêm dos diversos continentes, falam línguas diferentes, são portadores de variegadas culturas e, todavia, em Cristo encontram as respostas para suas mais altas e comuns aspirações e podem saciar a fome de verdade límpida e de amor autêntico que os irmanem para além de toda diversidade.

Cristo abre espaço para eles, pois sabe que energia alguma pode ser mais potente que aquela que se desprende do coração dos jovens quando conquistados pela experiência da sua amizade. Cristo “bota fé” nos jovens e confia-lhes o futuro de sua própria causa: “Ide, fazei discípulos”. Ide para além das fronteiras do que é humanamente possível e criem um mundo de irmãos. Também os jovens “botam fé” em Cristo. Eles não têm medo de arriscar a única vida que possuem porque sabem que não serão desiludidos.

Ao iniciar esta minha visita ao Brasil, tenho consciência de que, ao dirigir-me aos jovens, falarei às suas famílias, às suas comunidades eclesiais e nacionais de origem, às sociedades nas quais estão inseridos, aos homens e às mulheres dos quais, em grande medida, depende o futuro destas novas gerações.

Os pais usam dizer por aqui: “os filhos são a menina dos nossos olhos”. Que bela expressão da sabedoria brasileira que aplica aos jovens a imagem da pupila dos olhos, janela pela qual entra a luz regalando-nos o milagre da visão! O que vai ser de nós, se não tomarmos conta dos nossos olhos? Como haveremos de seguir em frente? O meu auspício é que, nesta semana, cada um de nós se deixe interpelar por esta desafiadora pergunta.

A juventude é a janela pela qual o futuro entra no mundo e, por isso, nos impõe grandes desafios. A nossa geração se demonstrará à altura da promessa contida em cada jovem quando souber abrir-lhe espaço; tutelar as condições materiais e imateriais para o seu pleno desenvolvimento; oferecer a ele fundamentos sólidos, sobre os quais construir a vida; garantir-lhe segurança e educação para que se torne aquilo que ele pode ser; transmitir-lhe valores duradouros pelos quais a vida mereça ser vivida, assegurar-lhe um horizonte transcendente que responda à sede de felicidade autêntica, suscitando nele a criatividade do bem; entregar-lhe a herança de um mundo que corresponda à medida da vida humana; despertar nele as melhores potencialidades para que seja sujeito do próprio amanhã e corresponsável do destino de todos.

Concluindo, peço a todos a delicadeza da atenção e, se possível, a necessária empatia para estabelecer um diálogo de amigos. Nesta hora, os braços do Papa se alargam para abraçar a inteira nação brasileira, na sua complexa riqueza humana, cultural e religiosa. Desde a Amazônia até os pampas, dos sertões até o Pantanal, dos vilarejos até as metrópoles, ninguém se sinta excluído do afeto do Papa. Depois de amanhã, se Deus quiser, tenho em mente recordar-lhes todos a Nossa Senhora Aparecida, invocando sua proteção materna sobre seus lares e famílias. Desde já a todos abençôo.

Obrigado pelo acolhimento!

Fonte: Santa Sé

@Marques_JM

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Religião

Habemvs Papam: FRANCISCO


Papa Francisco

Católicos de todo mundo estão em festa com a eleição do novo Papa. Seguindo em a tradição, assim foi anunciado:

“Annuntio vobis gaudium magnum: habemus Papam!”

Eminentissimum ac reverendissimum dominum, dominum, Giorgio Marium Sanctae Romanae Ecclesiae Cardinalem Bergoglio, qui sibi nomen imposuit Francisco.

O Cardeal Jorge Mario Bergloglio, 76 anos, é o novo líder da Igreja Católica. O novo sucessor de Pedro, adotou o nome de Francisco, nome inédito em toda a história dos papas.

Dom Jorge Mario, agora Papa Francisco, era Arcebispo de Buenos Aires, cidade onde nasceu no ano de 1936. Jesuíta, formado técnico químico e filósofo.

Com gestos simples, o Papa Francisco, pediu que os fieis rezassem por ele, naquele momento e durante seu pontificado. Gesto esse que dá para o novo papa uma característica de humildade visível.

@Marques_JM

2 Comentários

Arquivado em Religião

Papa Bento XVI anuncia renúncia!


Italy - Religion - Pope Benedict XVI - Easter Celebration

Confira o anuncio da renúncia do Papa Bento XVI, que sem dúvida foi um dos maiores Papas da história da Igreja Católica Apostólica Romana. Um homem inteligentíssimo, de grande humildade e de imensa fé em Cristo e na Igreja.

“Caríssimos Irmãos, convoquei-vos para este Consistório não só por causa das três canonizações, mas também para vos comunicar uma decisão de grande importância para a vida da Igreja. Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idôneas para exercer adequadamente o ministério petrino. Estou bem consciente de que este ministério, pela sua essência espiritual, deve ser cumprido não só com as obras e com as palavras, mas também e igualmente sofrendo e rezando. Todavia, no mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor, quer do corpo, quer da mente; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado. Por isso, bem consciente da gravidade deste ato, com plena liberdade, declaro que renuncio ao ministério de Bispo de Roma, Sucessor de São Pedro, que me foi confiado pela mão dos Cardeais em 19 de Abril de 2005, pelo que, a partir de 28 de Fevereiro de 2013, às 20,00 horas, a sede de Roma, a sede de São Pedro, ficará vacante e deverá ser convocado, por aqueles a quem tal compete, o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice.

Caríssimos Irmãos, verdadeiramente de coração vos agradeço por todo o amor e a fadiga com que carregastes comigo o peso do meu ministério, e peço perdão por todos os meus defeitos. Agora confiemos a Santa Igreja à solicitude do seu Pastor Supremo, Nosso Senhor Jesus Cristo, e peçamos a Maria, sua Mãe Santíssima, que assista, com a sua bondade materna, os Padres Cardeais na eleição do novo Sumo Pontífice. Pelo que me diz respeito, nomeadamente no futuro, quero servir de todo o coração, com uma vida consagrada à oração, a Santa Igreja de Deus”.

Vaticano, 10 de Fevereiro de 2013.

BENEDICTUS PP XVI

2 Comentários

Arquivado em Geral, Religião

Novos padres em Maceió


Tive a honra de participar, na noite de hoje, da solene celebração de ordenação presbiteral dos diáconos Charles da Silva Alves, Erivaldo Xavier da Silva, José Alex da Silva Barbosa e José Luciano Duarte dos Santos. Todos colegas do meu tempo de seminário.

A celebração foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Maceió, Dom Antônio Muniz Fernandes e o contou com a presença de vários padres da arquidiocese e das dioceses do interior do estado, destaque aqui para diocese de Palmeira dos Índios, que estava muito bem representada.

Catedral de Nossa Senhora dos Prazeres estava repleta de católicos para dar as boas vindas aos novos sacerdotes da Igreja. Realmente uma noite inesquecível.

A primeira missa de cada neo-padre já está agendada e essas são as datas:

Pe. Charles da Silva
Dia 26/01, às 19h30, Paróquia de São Maximiliano Kolbe, Benedito Bentes I, Maceió.

Pe. Erivaldo Xavier
Dia 26/01, às 19h30, Paróquia de São Sebastião, Tabuleiro do Pinto, Rio Largo.

Pe. José Alex da Silva
Dia 27/01, às 19h30, Igreja de Nossa Senhora das Brotas, Atalaia.

Pe. José Luciano Duarte
Dia 26/01, às 19h30, na Igreja Nossa Senhora do Livramento, Centro, Maceió.

Tive a satisfação de receber das mãos do seminarista Rodrigo Rios, que é um jovem jornalista, o convite para sua ordenação diaconal, que será realizada, também na Catedral de Nossa Senhora dos Prazeres, no dia 06 de fevereiro às 19h.

Também recebi o convite do Diácono Marcos André Menezes, lá de Cacimbinhas, o convite para sua ordenação presbiteral, que será realizada no Ginásio Poliesportivo José Evaristo Neto, Paróquia de Nossa Senhora da Penha, no dia 10 de fevereiro às 19h.

A Igreja Católica em Alagoas está em festa com a chegada destes novos padres e diáconos. Que Nosso Senhor, Jesus Cristo, os ilumine sempre nessa nova missão que eles escolheram como meta de vida!

@Marques_JM

1 comentário

Arquivado em Religião

Sejam essa Igreja!


Santos, São Paulo.

Apresento na véspera de natal, para todos os leitores do #BlogdoMarques, um artigo que escrevi quando era seminarista, onde falo sobre o relativismo na fé católica. Feliz Natal!

Amem esta Igreja, sejam essa Igreja, fiquem na Igreja! E amem o Esposo.

Santo Agostinho

Tudo começou com apascenta as minhas ovelhas (Jo 21,17)

Há quem diga que a Igreja é boa, mas o Papa, não. Há quem diga que a Eucaristia é importante, mas a confissão, não! Estamos vivendo numa realidade em que essas afirmações tornaram-se tão corriqueiras quanto dormir e acordar. E o pior: estamos nos acomodando e tentando tapar o sol com a peneira da nossa superficialidade. Tudo está se tornando normal… Estamos relativizando tudo o que nos circunda, principalmente os valores morais e éticos que conduzem a organização da sociedade.

Relativizando tudo o que nos cerca, acabamos querendo relativizar, também, a Igreja. Queremos transformar o sagrado em profano e divinizar o que é profano. Entra aí uma característica do homem moderno, que, sendo pragmático, antidogmático e secularizado, ele se torna antropocêntrico. Atitudes essas não podem fazer parte da identidade do Cristão católico que é chamado a ser sal da terra e luz do mundo (Mt. 5, 13 -14).

Atendendo ao nosso chamado, devemos amar a Igreja, que é mãe e mestra, e que nos ensina como melhor exercer a nossa vocação. A Igreja acolhe a todos e mostra como viveu, quem foi e o que ensinou o seu Esposo Jesus Cristo. Além de amar, devemos ser essa Igreja, que enriquecida pelos dons do seu fundador e observando fielmente os seus preceitos de caridade, de humildade e de abnegação, recebe a missão de anunciar e estabelecer em todas as gentes o reino de Cristo e de Deus, e ela própria constitui na terra o germe e o início deste reino (LG 5).

Tornando-nos essa Igreja, assumimos a sua missão e aceitamos os seus ensinamentos. Aceitando a missão e os ensinamentos da Igreja, ficamos com ela até o dia da Parusia.

Ficar na Igreja não significa que deveremos fazer dela o que nos agrada. Aqui não se trata de estar de acordo ou não, mas de fé. Quem acredita tem de se entregar totalmente às doutrinas da Igreja. Se não for assim, a Igreja servirá apenas como meio de glorificação do homem.

Caminhamos com a Igreja rumo ao Céu. A Igreja não foi fundada para buscar as glórias terrenas, mas para buscar as coisas do Alto. Amando a Igreja nós amamos o Esposo. Dele, o corpo inteiro recebe alimento e coesão, através dos ligamentos e junturas, realizando assim o seu crescimento em Deus(Cl 2,19).

Ele distribui continuamente ao seu corpo, que é a Igreja,os dons dos ministérios, pelos quais, graças ainda ao seu poder, caminho da salvação, para que , professando a verdade na caridade, cresçamos de todos os modos para Ele, que é a nossa cabeça (LG 7). A Igreja obedece, pois, a ordem de Cristo que diz: Apascenta as minhas ovelhas. E será assim até que Ele volte!

José Marques – Maceió 27/05/2007

Deixe um comentário

Arquivado em Religião, Textos

Diácono José Antônio


Quero aqui parabenizar o meu amigo Zé Antônio, que no dia 8 deste mês foi ordenado diácono da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo: Igreja Católica Apostólica Romana.

A LUMEN GENTIUM “DE ECCLESIA” na página 67, tratando dos diáconos, cita uma frase de São Policarpo: “Misericordioso e diligentes, procedam de harmonia com a verdade do Senhor que se fez servidor de todos.” “Diz-se de Cristo: Omnium diaconus factus.”

Desejo-lhe toda felicidade do mundo na sua caminhada, que Deus lhe abençõe sempre.

Deixe um comentário

Arquivado em Religião

Sejam essa Igreja!


Amem esta Igreja, sejam essa Igreja, fiquem na Igreja! E amem o Esposo.

Santo Agostinho

Tudo começou com apascenta as minhas ovelhas (Jo 21,17)

Há quem diga que a Igreja é boa, mas o Papa, não. Há quem diga que a Eucaristia é importante, mas a confissão, não! Estamos vivendo numa realidade em que essas afirmações tornaram-se tão corriqueiras quanto dormir e acordar. E o pior: estamos nos acomodando e tentando tapar o sol com a peneira da nossa superficialidade. Tudo está se tornando normal… Estamos relativizando tudo o que nos circunda, principalmente os valores morais e éticos que conduzem a organização da sociedade.

Relativizando tudo o que nos cerca, acabamos querendo relativizar, também, a Igreja. Queremos transformar o sagrado em profano e divinizar o que é profano. Entra aí uma característica do homem moderno, que, sendo pragmático, antidogmático e secularizado, ele se torna antropocêntrico. Atitudes essas não podem fazer parte da identidade do Cristão católico que é chamado a ser sal da terra e luz do mundo (Mt. 5, 13 -14).

Atendendo ao nosso chamado, devemos amar a Igreja, que é mãe e mestra, e que nos ensina como melhor exercer a nossa vocação. A Igreja acolhe a todos e mostra como viveu, quem foi e o que ensinou o seu Esposo Jesus Cristo. Além de amar, devemos ser essa Igreja, que enriquecida pelos dons do seu fundador e observando fielmente os seus preceitos de caridade, de humildade e de abnegação, recebe a missão de anunciar e estabelecer em todas as gentes o reino de Cristo e de Deus, e ela própria constitui na terra o germe e o início deste reino (LG 5).

Tornando-nos essa Igreja, assumimos a sua missão e aceitamos os seus ensinamentos. Aceitando a missão e os ensinamentos da Igreja, ficamos com ela até o dia da Parusia.

Ficar na Igreja não significa que deveremos fazer dela o que nos agrada. Aqui não se trata de estar de acordo ou não, mas de fé. Quem acredita tem de se entregar totalmente às doutrinas da Igreja. Se não for assim, a Igreja servirá apenas como meio de glorificação do homem.

Caminhamos com a Igreja rumo ao Céu. A Igreja não foi fundada para buscar as glórias terrenas, mas para buscar as coisas do Alto. Amando a Igreja nós amamos o Esposo. Dele, o corpo inteiro recebe alimento e coesão, através dos ligamentos e junturas, realizando assim o seu crescimento em Deus(Cl 2,19).

Ele distribui continuamente ao seu corpo, que é a Igreja,os dons dos ministérios, pelos quais, graças ainda ao seu poder, caminho da salvação, para que , professando a verdade na caridade, cresçamos de todos os modos para Ele, que é a nossa cabeça (LG 7). A Igreja obedece, pois, a ordem de Cristo que diz: Apascenta as minhas ovelhas. E será assim até que Ele volte!

José Marques – Maceió 27/05/2007


Deixe um comentário

Arquivado em Religião, Textos