Arquivo da categoria: Quinta Poética

Quinta Poética #6


Depois de algum tempo parada, a categoria do BM, a #QuintaPoética, está de volta e com força! O poema dessa semana vem da minha querida União dos Palmares, dos traços delicados e firmes da jornalista Olívia de Cássia.

À Procura

Eu te procurei em cada canto do olhar.
Procurei em cada rua, em cada paisagem,
Inutilmente.
Parece que tudo conspira
Contra a minha vontade
Impulsiva de encontrar você;
É melhor assim, bem sei, bem sabes.

Caso você queira divulgar seu poema aqui no #BlogdoMarques é só clicar nesse link aqui do lado: Clique aqui

@Marques_JM

1 comentário

Arquivado em Quinta Poética

Quinta Poética #5


A #QuintaPoética está de volta com o poema do santanense Remi Bastos!

Quimeras

Estou sentindo que o vazio
Não responde aos meus intentos,
O silêncio é profundo
Escuto apenas o vento.

Ouço vozes que não vêm
Tudo passa nada fica,
As ruas estão desertas
Sem mensagens sem escritas.

Os pássaros dispersaram
Fugiram da primavera
Já não cantam nos arvoredos.

Vivo só esta quimera
De um sono que não desperta
Mas que revelam segredos.

Remi Bastos

1 comentário

Arquivado em Quinta Poética

Quinta Poética #4


Essa semana o #QuintaPoética vem de União dos Palmares, do grande, literalmente, Zema – que é o responsável pelo Blog do Zema!
Meu Poema Morto
Meu poema não cor
Não tem som
Ritmo, dor
Ou dom
Meu poema não tem céu
Não tem mar
Estrada, mel
Ou paladar
Meu poema não me tem
Nem a você
Nem a ninguém
Meu poema não tem vida
Pois a minha
Eu te dei
Caso você queira divulgar seu poema aqui no #BlogdoMarques é só mandar pra mim. Clique aqui

Deixe um comentário

Arquivado em Quinta Poética

Quinta Poética #3


A #QuintaPoética apresenta hoje os escritos de Gislaine Migliati.

A graça da vida

Ah!…O sentido da vida!
Momentos simples e, ao mesmo tempo, relevantes
Momentos tensos e, ao mesmo tempo, úteis
Momentos confusos, alegres, tristes, raivosos, tormentosos, divertidos…
Seja lá como for…
A graça, o sabor, o gosto
Está em tudo.
Está até onde minha visão alcança, até onde meu paladar experimenta,
Até onde meu coração pressente, até onde minha razão permite
Você escolhe o que quer ver
O que quer sentir
O que quer aprender
A graça da vida. Está em tudo e em todos. Sempre!
Só depende onde estou, com quem estou, como estou
Tudo faz sentido, tudo dá sentido
Só basta prestar atenção
E se não prestar, não tem importância
A vida vai te mostrar, vai te guiar

Caso você queira divulgar seu poema aqui no #BlogdoMarques é só mandar pra mim. Clique aqui

1 comentário

Arquivado em Quinta Poética

Quinta Poética #2


Hoje a #QuintaPoética apresenta o blogueiro Leonardo Arcoverde, que transpira sentimentos nobres.

Ontem

Hoje, tanto quanto ontem, sinto tua falta
Suas mão belas a tocar meu rosto
Um toque leve, parece sentir minha alma
Ouço teu coração bater forte
Numa sincronia com meu pensar
Dos teus lábios sinto o gosto

Ah que dia infernal, que saudade
Que vem e me bate na face
Que me faz desejar
E querer-te sempre ao alcance
Raios, trovões e chuva
Como é difícil esperar

Um ano, dois séculos
É o que parece
que não te vejo faz tempos
Ai que coração apertado
e os meus braços vazios
e paro, e penso, e ele padece

Morre de uma doença
Mais letal que a bala
A saudade que me bate
A saudade que me alcança

Quanto tempo
Quanto tempo falta ainda
Quando tempo já passou
Os meus olhos sentem
Morro de saudades
Nem parece que te vi ontem

Caso você queira divulgar seu poema aqui no #BlogdoMarques é só mandar pra mim. Clique aqui

2 Comentários

Arquivado em Quinta Poética

Quinta Poética #1


Bom, começo hoje mais uma categoria no #BlogdoMarques, a Quinta Poética, onde postarei poemas de autores variados, convidando você a refletir a vida pelos olhos românticos dos escritores.

Caso você queira divulgar seu poema aqui no #BlogdoMarques é só mandar pra mim. Clique aqui

Começo com um poema do escritor santanense Remi Bastos, espero que gostem!

MÊS DE JULHO

O mês de julho está chegando
Como chega o Papai Noel,
Irradiando paz e felicidade
Nos corações dos santanenses.
Reveste-se nossa cidade
De tão pura galhardia
Nos abraços e cumprimentos,
Despertando em cada momento
A pausa para a nostalgia.

Eu estava distante, retornei,
Senti saudade de você,
Das nossas brincadeiras sadias,
Dos doces que a Vovó fazia
Quero tudo isso rever,
Sentir a realidade de está aqui,
Percorrer as ruas que tanto andei,
Respirar o ar puro do meu lugar
E abraçar os amigos que aqui deixei.

Estou voltando de braços abertos,
Quero sentir no rosto
A brisa que emana da minha terra,
Contemplar as velhas serras
Que o tempo enfeita e castiga,
Quero outra vez ser criança com orgulho,
Adormecer ouvindo o canto do Ipanema,
Escrever meus versos e poemas
E dizer estou chegando mês de julho.

Remi Bastos

3 Comentários

Arquivado em Quinta Poética